Órgãos

COMCAP



  • Banner: Roteiros de coleta
  • Banner: Coleta pesada
  • Banner: Ecopontos da Comcap
  • Banner: Pontos de coleta exclusiva de vidro
  • Banner: Parque Jardim Botânico de Florianópolis
  • Banner: Adesivos para lixeiras
  • Banner: Ouvidoria
home >
Evolução da limpeza pública na Capital

Das praias para o forno e o lixão

A destinação final dos resíduos sólidos em Florianópolis é um problema antigo e complexo. Em 1830, foi aprovada uma lei determinando que o lixo urbano fosse lançado nos rios e no mar, para evitar que os detritos jogados pelos próprios moradores se acumulassem nas ruas e terrenos baldios.

 

O serviço de remoção de lixo só teve início em 1877 e era executado por particulares com carroções puxados a burro. O destino final eram as praias da Baía Norte, onde faziam os despejos.

 

Mais tarde, em 1914, para acabar com o acúmulo de lixo nas praias foi construído próximo à Ponte Hercílio Luz, o forno do lixo, que funcionou durante quase meio século, queimando os resíduos da Capital.

 

Com o aumento da população e da produção de resíduos, em 1958, surgiu o lixão da cidade. Os resíduos sólidos passaram a ser dispostos no manguezal do Itacorubi, em uma área de aproximadamente 12 hectares. Foi assim durante mais de 30 anos, acarretando sérios problemas de saúde pública e de degradação do mangue. O lixão do Itacorubi foi desativado em 1990, graças à pressão popular.

 

Na área, a partir de 2000, foi implantado projeto de recuperação e organização paisagística. Hoje abriga o Centro de Transferência de Resíduos Sólidos (CTReS), com Estação de Transbordo da Comcap, centro de triagem gerenciado por associação de catadores, espaço de educação ambiental e o Museu do Lixo.

 

Projeto Beija-flor

Durante as discussões para acabar com o lixão do Itacorubi, foram implementados, a partir de 1986, as primeiras experiência de coleta seletiva em Florianópolis nas comunidades do Mocotó e Monte Verde e na Avenida Beira-Mar Norte. Essas iniciativas evoluíram nos anos seguintes, 1987 e 1988, para a formalização do Projeto Beija-flor, com tratamento e destinação dos resíduos nas próprias comunidades. O Beija-flor tounou-se embrião do sistema de coleta seletiva até hoje em operação no município.

 

Florianópolis foi a primeira cidade no Brasil a implantar a coleta seletiva pelo sistema de porta em porta, e o Projeto Beija-flor serviu como fonte de inspiração para outros projetos no País. O objetivo era tratar o lixo domiciliar dentro das comunidades que o produziam, incentivando a coleta seletiva e o seguinte destino ao lixo: o material reciclável seco era comercializado, o material orgânico era tratado através da compostagem (para que o adubo resultante fosse utilizado em hortas comunitárias) e os rejeitos eram encaminhados ao ponto de coleta convencional mais próximo.

 

Indicadores atuais da produção de resíduos sólidos

 

  • A coleta seletiva atende 100% dos bairros da cidade, sendo que 70% dos domicílios são atendidos pelo sistema porta a porta e o restante por rua geral, lixeira comunitária ou entrega voluntária
  • O sistema tem um índice de inclusão de catadores de 62%
  • A produção de resíduos na Capital é de 35,83 quilos por habitante/mês
  • A produção da coleta seletiva (materiais que seguem para reciclagem) corresponde a 7% do total de resíduos coletados em Florianópolis
  • Fora o que é reciclado, 100% dos resíduos recolhidos pela Comcap são encaminhados para aterro sanitário.

 



Copyright © 2009-2016 Prefeitura de Florianópolis. Todos os direitos reservados.