27/09/2021 - SME - Educação
Professora da RME participa de evento internacional sobre racismo no Brasil
Janete Elenice Jorge desenvolve projetos de educação de relações étnico-raciais

foto/divulgação: Janete Elenice Jorge

Fotos de autoria da professora Janete Elenice Jorge

O Instituto de Cultura Uruguayo-Brasileño, com sede em Montevidéu no Uruguai, está promovendo a VI Semana do Brasil. O evento, que começou nesta segunda-feira (27) e vai até dia 2 de outubro, conta com a participação de professores de diferentes nacionalidades que tratarão de temas relacionados à cultura brasileira. 

 

 

 

Esta é a segunda vez no ano que a professora de Espanhol da rede municipal de ensino de Florianópolis, Janete Elenice Jorge, é convidada para um evento promovido pelo ICUB. 

 

 

 

A docente vem realizando práticas pedagógicas sobre a Educação de Relações Étnico-raciais nas unidades educativas, Escola Básica Municipal (EBM) Costa de Dentro e João Francisco Garcez, assim como participou da elaboração da campanha da Secretaria de Educação da Capital “Por uma educação antirracista”. 

 

 

 

Na sexta-feira, dia 1º de outubro, às 17 horas, irá abordar “Racismo no Brasil: uma violência negada e banalizada”. 

 

 

 

O relato tem por objetivo discutir o racismo estrutural no Brasil e como as práticas racistas são normalizadas através dos tempos pelas leis, relações políticas, econômicas, jurídicas e até mesmo pela linguagem. 

 

 

 

De acordo com a professora, é cada vez mais recorrente no país discursos negando o racismo ou na tentativa de deslegitimar ou se apoderar do lugar das vítimas, como por exemplo, o discurso de racismo reverso. “Há, inclusive, quem diga que o racismo não existe no país e tudo isso contribui para perpetuar a cruel engrenagem racista que mantém grande parte da sociedade à margem”, salienta. 

 

 

 

Ainda segundo a professora, a pandemia acentuou gravemente as condições de desigualdades entre negros e brancos, o que torna cada vez mais urgente, a necessidade de discutir o privilégio branco nas diferentes esferas da sociedade brasileira. “Neste sentido, a pluralidade existente nos espaços educativos é caminho fértil para pensar práticas pedagógicas que busquem a função social das instituições de ensino, para dar voz aos sujeitos que são invisibilizados pela sociedade”. 

 

 

 

O Instituto de Cultura Uruguayo-Brasileño foi fundado em 22 de agosto de 1940, sendo o primeiro Centro de Estudos Brasileiros criado pelo Itamaraty no exterior. O evento será gratuito, aberto ao público e totalmente online. A programação completa e os links de acesso para as palestras podem ser acessados no site: https://www.icub.edu.uy/novedades2.php?id=12 


galeria de imagens