PROJETO MINHOCA NA CABEÇA

Recicle seus hábitos, aprenda a valorizar os resíduos orgânicos

O Projeto

O projeto Minhoca na Cabeça incentiva a reciclagem doméstica do resíduo orgânico com a doação de minhocários pela Prefeitura de Florianópolis. Para ganhar o kit, é preciso inscrever-se e participar de uma oficina de capacitação. Nesta oficina, será entregue o minhocário pela Comcap.

O minhocário pode ser manejado em casa ou apartamento. Sua operação é fácil, mas requer alguma dedicação. Basta separar os resíduos orgânicos e ter um pouco de matéria seca como folhas ou serragem. Aí, é só ir montando camadas dentro da caixa para alimentar as minhocas e outros microorganismos do bem que vão transformar esse material em húmus e biofertilizante líquido.

Responsabilidade do participante

O projeto Minhoca na Cabeça é exclusivo para residentes em Florianópolis. Pelo termo de adesão, o participante se comprometerá a participar de oficina de capacitação onde irá construir sua própria composteira. A composteira será então doada a ele e deverá ser usada para o tratamento domiciliar de resíduos orgânicos. O participante fornecerá informações sobre quantidade de resíduos recuperada e devolverá o equipamento em caso de desinteresse no projeto.

Ganhos para a cidade

Com base na produção média diária de 1,6 quilo de resíduos orgânicos por família de quatro pessoas, os 500 colaboradores desviarão 292 toneladas de resíduos orgânicos por ano em Florianópolis, com economia direta de R$ 43 mil em transporte até o aterro sanitário e redução de 70% na emissão de carbono.

O resultado estimado contribui com as metas do Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos de Florianópolis, de desviar do aterro sanitário 37% dos recicláveis secos e 45% dos resíduos orgânicos até 2020.


Contexto do projeto

Resíduo é um produto pós-consumo, o que sobra entre o desejo e a necessidade do ser humano. A sociedade que supervaloriza o consumo e o descarte está com os dias contados. Em seu lugar, surge uma economia circular e regenerativa. No Brasil, a Lei 12.305/2010 estabelece a responsabilidade compartilhada pelo consumidor, indústria, comércio e poder público para dar destino adequado aos resíduos.

Florianópolis tem coleta seletiva há mais de 30 anos, é pioneira no Brasil na coleta de recicláveis de porta em porta, e consegue desviar hoje em torno de 7% do total de resíduos recolhidos. Das 203 mil toneladas por ano que passam pelo Centro de Valorização de Resíduos da Comcap, 183 mil seguem para o aterro sanitário. As outras 20 mil são recuperadas e voltam para o ciclo econômico, gerando renda em toda a Grande Florianópolis.


Para ajudar a melhorar essa conta, o gerador dos resíduos deve separar os resíduos em três frações:

- Recicláveis secos (papel, plástico, metal e vidro) encaminhar para a coleta seletiva da Comcap que passa de porta em porta na maior parte de Florianópolis. Para o vidro há pontos de entrega voluntária (PEVs) exclusivos.

- Orgânicos (restos de alimentos) fazer compostagem doméstica ou comunitária.

- Rejeito (lixo sanitário e outros materiais que não podem ser reciclados nem compostados) encaminhar para a coleta convencional que é feita de porta em porta em toda cidade pela Comcap.


Pela caracterização dos resíduos sólidos domiciliares coletados em Florianópolis:

•35% são orgânicos (24% restos de alimentos e 11% resíduos verdes como podas, restos de jardinagem e folhas varridas na limpeza pública)

•43% são recicláveis secos (embalagens de plástico, papel, metal e vidro)

•22% são rejeitos (lixo sanitário e outros materiais que não podem ser recuperados).

Então, das 183 mil toneladas recolhidas por ano pela coleta convencional da Comcap, 65 mil toneladas são resíduos orgânicos que, separados na fonte geradora, poderiam ser desviadas do aterro sanitário.

Ao custo de R$ 148,27 para transportar e aterrar cada tonelada desse resíduo, se o usuário do sistema de coleta adotasse as práticas de separar e reciclar o orgânico, a economia para o município poderia ser de até R$ 9,5 milhões ao ano, sem contar ganhos ambientais e sociais.

Por mês, a recuperação de orgânicos representaria 5,3 mil toneladas de resíduos desviados do aterro sanitário, o que corresponde a 830 caminhões compactadores da Comcap.




Oficinas:

As oficinas ocorrerão no Jardim Botânico de Florianópolis no endereço Rodovia Admar Gonzaga, 742-782 - Itacorubi, Florianópolis - SC

As oficinas terão em torno de duas horas de duração.



As 500 primeiras vagas foram preenchidas, novas serão abertas. No momento, como a lista de espera conta com mais de 1,5 mil pessoas, as inscrições estão suspensas. Se precisar, entre em contato pelo minhocanacabeca.comcap@pmf.sc.gov.br